Saudações aventureiros!

Uma coisa que herdei e gostei da 4ª edição de Dungeons and Dragons era os Tiers, que dividiam o caminho dos aventureiros por patamares de alcance, fazendo de uma campanha um degrau de alcance do local ao interdimensional. Usando essa premissa, e desde então, gosto de dividir minhas campanhas em “temporadas”. Vou compartilhar com todos minhas observações.

Na nova edição do D&D, é possível mediar essas temporadas quando os jogadores atingem um novo nível de proficiência. Parece risório, mas cada nível significa mais magias, mais poder de resistir a ferimentos, e mais habilidades que diferenciam mais e mais dos níveis mais baixos. O Dungeon Master mais sagaz pode sim utilizar esses níveis para avaliar quando “maneirar” e quando “pegar pesado”, baseado nas experiências do seu grupo, e ainda, caso deseje pular algum patamar, já definir de cara o que pode acontecer a um grupo recém-reunido.

No meu caso, utilizo as temporadas para dar um break na campanha, retomar o fôlego, e fazer com que o tempo adiante, fazendo com que os personagens da minha mesa peguem laços entre eles, ou entre a comunidade no qual estão inseridos, usem seu tempo livre para ações de downtime, e ainda, construir história para seus queridos heróis.

aventureirosDividindo em temporadas, posso demarcar o nível de alcance dos personagens até onde eles podem alcançar sem perigo eminente, sendo:

Local (do 1º ao 4º nível): os aventureiros modificam e interagem com uma população local. É apresentada uma localidade específica – no caso dos Libertadores (um dos grupos dos #CavaleirosInsones, e o que eu estou mestrando) a aventura presente no Starter Set – e eles podem influenciar a localidade e sua vizinhança.

Regional (do 5º ao 8º nível): agora os aventureiros interagem em um amplo local, se estabelecem como aventureiros de carreira e com certa fama em algumas cidades vizinhas. Nesse patamar, os Libertadores (continuando o exemplo) exploraram boa parte da região de Neverwinter, chegando a se aventurar nas masmorras subterrâneas de Waterdeep. Ganharam muita fama e dinheiro, e também inimigos mais poderosos.

Multirregional (do 9º ao 12º nível):  nesse nova temporada, agora os aventureiros estão prontos para explorar o mundo, enfrentando facções poderosas, mas ainda presentes no plano material. Os Libertadores (spoilers!!!) agora sairão da sua “zona de conforto”, e explorarão outras localidades. O passo é ir agora para o longínquo Shadowdale, o Vale das Sombras.

Dimensional (do 13º ao 16º nível): munidos de experiência suficiente no plano primário material, agora os aventureiros estão prontos para se aventurar em uma outra dimensão (ou dimensões).

Épico (do 17º ao 20º nível): finalmente, o último patamar heroico presente nos livros básicos do Dungeons and Dragons, os aventureiros estarão prontos para enfrentar uma ameaça semi-divina, com alcance multidimensional.

Com a divisão entre temporadas, o planejamento de aventuras é bem melhor, no qual posso saber até onde os personagens podem aguentar, e também até onde posso utilizar o cenário sem ser “sacal”.

Espero que seja útil para outros mestres minhas observações.

E rolem dados!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s